11 de maio de 2016

Deixando o Sol entrar

ou... lições de um jardim semi abandonado



No jardim quase abandonado, as plantas brotam naturalmente. Descontroladamente.
Brotam porque a vida não para.

Enroscadas, crescem como podem.
Em seu desequilíbrio apóiam-se umas nas outras. Frágeis suportes.
Desequilibram as que estão próximas. Fazem sombra, disputam espaço.
Crescem tortas, estreitas, torcidas, sem vigor, sem identidade.
Espicham-se para alcançar o sol. Sobrevivem.
Equilibram-se em seu desequilibro.


Um olhar distraído acha até bonito: tanto verde, tanta vida.
Um olhar mais atento enxerga um sistema fraco, doente, escuro, abafado.
Plantas tristes.
Não conseguem dar o melhor de si. Não vicejam, não deixam vicejar...
São todas inerentemente lindas, cheias de qualidades, cada uma possui características próprias e especiais. Mas nada disso aflora.

Aí vem o dia em que tudo muda.
Cortar, limpar, tirar, abrir espaço, deixar o sol entrar.
Ar!



Preparar-se para o novo.
Equilibrar.
E confiar.

Na manhã seguinte, o sol entrou.